BLOG da Biblioteca escolar do AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALTO DOS MOINHOS - Terrugem

22 outubro, 2011

A menina que detestava livros.(...) E vocês?!

O livro que aqui passa  irá saltar das palavras para a ação. Refiro-me a uma encenação teatral  levada a cabo pela companhia de teatro Umbigo, que trará esta obra a cena no próximo dia 1 de junho de 2012 (Dia mundial da criança) às escolas de Santa Susana e Godigana.
"A menina que detestava livros" trata-se de uma divertida proposta de leitura, indicada nomeadamente a alunos do 1º ciclo, no sentido de lhes despertar o interesse pela leitura.
Também no próximo dia 27 de Outubro - Dia internacional das bibliotecas escolares, iremos levar a cabo na escola EB1 da Terrugem uma atividade em torno desta obra da literatura infantil.
Em baixo, disponibilizamos 2 versões animadas acerca do livro. A primeira será sobre a obra original com leitura encenada (e sotaque do norte...) e a segunda uma animação brasileira inspirada no livro. Vejam e divirtam-se!!

«A menina que detestava livros, obra de estreia da indiana Manjusha Pawagi, é uma narrativa cujo tema anda à volta do gosto (ou da falta dele) pelos livros e pela leitura.
Mina, a protagonista, detesta livros exactamente porque vive rodeada deles. Contudo, quando as personagens das histórias infantis acidentalmente saem dos livros a que pertencem, a menina vai ter que as ajudar, descobrindo a sua origem. Narrativa metafórica sobre a descoberta do prazer da leitura, o livro conta ainda com ilustrações que dão conta a forma como as personagens lidam a presença dos livros nas suas vidas, representando os momentos cruciais da intriga de final feliz.» 
Ana Margarida Ramos in Casa da leitura


Título: A menina que detestava livros
Autor(es) Manjusha Pawagi, Leanne Franson (Ilustrador)
Tipo de documento Livro
Editora Terramar
Local Lisboa
Data de edição 2005
Área Temática Livros e Leituras, Animais, Casa, Família
Tradução Catarina Ferrer


VERSÃO original - leitura com interpretação de narradores / personagens ( e sotaque do norte ... eh  eh). Muito divertido e com sonoplastia.


«A menina que odiava livros» - versão brasileira animada

13 outubro, 2011

Tornar mais fácil o difícil (proposta de leitura)

   Destinado a crianças do 1º ciclo, e porque não do 2º e 3º; e porque não até adultos. Porque a literatura (inclusive a literatura infantil) destaca-se normalmente, pelo contributo do prazer da leitura mas também de auto e heteroreflexão. Do ponto de vista da carga emocional implícita, este aparente simples livro infantil apresenta-se como uma importante proposta na abordagem da "morte" ou perda de alguém especial. A explicação dum sentimento tão pessoal torna-se por vezes, difícil de abordar junto dos alunos mais novos. O «livro infantil», um trunfo pedagógico de excelência, continua a merecer o patrocínio da Bibliotecaventura no sentido de desenvolver e estimular a educação para os afetos. Do ponto de vista pessoal, confesso que me comovi após as primeiras páginas... Sugerimos uma leitura orientada com preparação prévia, de modo a realizar uma atividade ponderada sem ferir a suscetibilidade das crianças. Bom trabalho! (R.B.)







Texto de ELISA RAMÓN
Ilustrações de ROSA OSUNA
Tradução de ANA M. NORONHA
Encadernado em capa dura. 22 x 22 cm. 40 pág.

ISBN 978-972-8781-98-9. Livros para sonhar!

«O esquilo vermelho estava triste.
Sentia uma dor muito forte porque a mãe tinha morrido e pensava que nunca mais voltaria a ser feliz.
Com esta proposta literária e artística, pode parecer, à primeira vista, que os pequenos leitores sintam um certo desassossego; porém, tal como acontece com o pequeno esquilo, as crianças percebem de um modo natural a experiência da morte... e procuram respostas. A distância conferida pela dimensão de fantasia da própria história revela-se eficaz para os ajudar a compreender e a aceitar a perda de um ente querido.
Estamos perante um álbum sério e inteligente, de tratamento plástico harmonioso e sereno, cuja ternurenta e delicada história abre as portas a um tema profundo e necessário, ao mesmo tempo que oferece sugestões abertas e tranquilizadoras sobre a continuidade da vida.»
in editora Kalandraka